Pular para o conteúdo principal

Resenha : O Irmão Alemão, Chico Buarque de Holanda

SINOPSE: O novo livro de Chico Buarque - um romance em busca da verdade e dos afetosO irmão alemão é o novo livro de Chico Buarque. O autor já publicou os romances Estorvo, Benjamim, Budapeste e Leite derramado que lhe renderam três prêmios Jabuti e venderam quase um milhão de exemplares, ficando por meses nas listas de livros mais vendidos do país. Ele também é autor de peças como Roda viva e Ópera do malandro. (Fonte: Blog Companhia das Letras)

            



Que o Chico é um amor, não é novidade! Entretanto outras faces pude conhecer desse homem maravilhoso.

"O Irmão Alemão" narra em primeira pessoa, a busca pessoal de Chico por um meio-irmão da Alemanha. São muitos os anos de dúvida e busca. Uma narrativa que mescla realidade e lirismo, com teor de comédia agradável.

Primeiramente gostaria de deixar claro que, a casa fictícia da família Buarque se tornou uma cobiça para mim. Eu a-do-ra-ria conhecer as paredes repletas de estantes e livros, que no texto são tão valiosamente descritas.

Eu sempre tive uma visão do Chico como um homem culto e no livro ficou claro, que suas leituras incansáveis através das coleções literárias de seu pai, de fato o tornaram culto. Mas a realidade, ainda que fundida à literatura se contrapõem vez ou outra. Chico mesclou verdade, modificando um pouco sua vida, acometendo assim mais poesia, suavidade, e fantasia.



Falando do homem romântico, isso é notável. Porém, mais notável ainda é sua malandragem e sacanagem. Poeticamente, o livro tem pouco. Principalmente ao relatar o cotidiano de rapazes da época, à caça de virgens. De realista e sincero, o livro tem muito. Jamais imaginaria que ele fosse, ou se colocaria como o irmão mais novo, e menos querido pelo pai. E fica difícil sobrepor até onde entra a verdade biográfica no enredo do livro. Mas eu prefiro acreditar em cada uma das suas palavras.

A leitura pode ser um pouco cansativa para quem é acostumado à diálogos sempre estruturados, e pensamentos lineares. A narrativa utilizada é espontânea. Senti que o próprio autor, conversava comigo ao meu lado. As pontuações se embolam nos pensamentos soltos e descrições reais. Parece até confuso, mas apenas quando você se entrega à lábia do Chico, você passa a compreender o tempo e modo de suas falas.

Encantador e incomum. Romântico e dramático. Envolvente e curioso. Assim o classifico. E até agora, não descobri se a mocinha colocada como seu amor existiu, se ele perdeu esse grande amor de vez ou reencontrou-a. A sensação ao término do livro é: "preciso saber mais, preciso conversar com ele. Preciso perguntar tanta coisa... Preciso pegar um avião!"

Sim, sim. Chico Buarque transpareceu seu íntimo, sem perder seu olhar tristonho e misterioso. Confesso-me apaixonada. Apaixonada por ele, pela obra, ainda mais pela literatura.

Se já leu o livro, e quer saber mais dessa construção literária clique no link.



Comentários

MAIS LIDAS

Sobre fanfics 'oneshot' .

Comecei a ler fanfiction aos meus treze anos de idade, na época em que ainda existia no orkut (céus, como você é velha) aquelas comunidades de "Web Novelas". Iniciei as leituras virtuais com as tais web novelas, que na minha opinião atual eram um pé no saco, pois a plataforma do orkut não permitia uma postagem em página única. As autoras postavam os capítulos através de comentários nos fóruns. Logo, ocorria uma mistura infinita de capítulos da história com comentários de leitoras. Tudo dentro de um mesmo fórum.  Enfim... Quem viveu saberá do que estamos falando aqui, e tchananãn.

Criaram por fim, as fanfictions (ficções de fã) que eram postadas em sites de hospedagem de página HTML, como por exemplo, o vilabol e geocities (R.I.P).  Foi um achado, gente!  Porque você escrevia sua história toda, criptografava em HTML, e a história ficava no padrão atual de postagem. Ah! E havia a possibilidade de ser interativa, o que na época era um babado! Assim que encerraram a disponibili…