Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2012

Maletas descobertas.

Às minhas costas malas abertas. Espalhadas dentro delas todas as peças que uso para vestir-me, e alguns utensílios básicos. Espalhados à mostra de quem quisesse vê-los, vulneráveis.  Então eu paro confusa em um canto qualquer, de malas abertas. Ninguém se interessa em olhá-las. Espantoso, visto que o mundo anda tão invasivo e tornou-se primordial aos outros mostrar todo o tipo de escória alheia.  Há algumas peças defeituosas, umas camisas tortas, algumas calças largas demais, mas nem assim despiram os olhares às maletas.  Meio sem rumo e ainda confusa não sabendo para onde ir apresentei-me.  Afinal, decidi abrir a bagagem naquela estação do nada.  Nada havia ali, nenhum ônibus, nenhum destino, nenhum perigo, nenhuma alma. Apenas um vento amigo que soprava aos  cabelos.  Mirei as bagagens e fechei os olhos.  Analisei-me internamente, talvez ali no cosmos infinito do meu eu estivesse algum manuscrito de endereço para o qual seguir. Estava certa. Havia muitas anotações perdidas.  Abri os olhos e…

Giro

Um giro no ar foi estalado. Um giro na vida, um nó na mente e típico borbulhar no coração. Largo os medos de querer. Você dizia que eu tinha carência, demência e beleza. Me chamava de comum enquanto eu parecia uma coisa cósmica que desvia as pessoas. Você tinha medo de querer essas sensações e eu também. Um giro, demos um giro no ar. E gargalhadas sem nexo algum. Eu te envergonho, sou perversa, estranha e dissimulada. Sou discreta, otimista e benevolente. Cheiro livros e masco pétalas de rosa. E de repente você é tão contrário à sanidade. É cruelmente magnetisado a mim, um fora da lei.  Ainda assim giramos em nosso próprio eixo duplo. Há uma linha de trem onde eu lhe amarro, mas claro que antes disso tudo, eu só bebia um café amargo no balcão mascando chicletes. Apaixonadamente louca pelo seu queixo bonitinho e par de olhos de vidro. Um giro, o amor é um giro por mundos e tempos diversos que se colidem de uma vez.  Um giro e um pedido. Um giro no "para sempre principesco" ou no "en…

Pesadelos, eis que surgem irreplicáveis.

Pesadelos. Espanto-os com um leve piscar de pálpebras.  Em sua forma onírica, relativa-se a tudo aquilo que provoca a sua alma, sua mente, até mesmo  o seu coração. Tu guardas seus detalhes nefastos, involuntariamente em seu subconsciente para utilizar contra você mesmo. Essa batalha sonolenta e perturbada pode ser tão boa quanto ruim. Pesadelos, esses que aparecem como reflexos na realidade fria da sua carne ou passos, monstros que não passam de verdades das quais você alimenta sua rotina. Como livrar-se deles? Espanto-os com humor, uma bebida e um longo refletir da sua razão existencial. Pois se podemos sonhar acordados, nada mais justo do que também cultivar pesadelos de olhos abertos. 
Torna-se uma relação intimista em tratar esse incoveniente, porém se posso aconselhar um método aconselho que sente-se em algum lugar tranquilo, coma ou beba algo de seu agrado e pense bem em por quê seus caminhos trouxeram-te a seus pesadelos, reais ou imaginários. Resumidamente : ACORDE ! 

Por, Rayan…

Ela sou eu

Ela sou eu.
Ela ainda não dirige carros e embora pense nisso vez ou outra, não toma uns pileques. Ela não gosta de pileques, prefere tomar café forte. O mesmo café que os irmãos negros cultivaram. Ela anda realinhando órbitas que saíram da rotação dentro e fora de sua pele. Rasga medrosamente os rótulos.  Ela quebra as placas de PARE,  para em um acostamento da estrada, apenas para sentar e ver os carros que não pode dirigir. Ela não acredita em muitas coisas que dizem, e nem em algumas asneiras que ela pronuncia. Ela grita "parem", ninguém repara.  Ela grita "sigam", ninguém consegue entender. Ela grita "venham" e a multidão invísivel segue-a, ou pensa assim acontecer. Ela chora por não alcançar as altas nuvens. Estupidez ser uma bípede humana. O que quer que ela fale é incompreensível a ouvidos multuosos. Ela não é radical . Apenas por dentro. Existem monstros terríveis e anjos dentro do seu coração.  Tem olhos misteriosos e cautelosos. Passos grandes e plumoso…

Se há alguém aí.

Eu ainda sou uma garotinha. Esperando sentada, um ônibus para qualquer lugar. Qualquer lugar que faça com que as minhas meias furadas pareçam algo normal. Algo legal. Implorando misericórdia a qualquer ninguém por ser uma boa menina ou talvez má.
O príncipe, aquele otário, aquele idiota de quem a madrasta da Branca de Neve deveria comer o coração. Coitada da Branca, ela não podia sonhar.  Nem eu. Os letreiros que vejo dizem "Proibido os sonhos."
O príncipe metido e arrogante que não dá as caras ou chega atrasado: um chute no traseiro dele.  Chamem os garotos normais! Os lerdos, mas normais. Os bobos, mas normais. Os feios, mas normais. Os burros, grossos, tímidos, nerds, gordos, os defeituosos, mas normais. Por favor suas libélulas hipócritas esqueçam o príncipe das fadinhas burras, ele não passa de um esnobe com um enorme vazio.
Se há alguém que possa ajudar, a minha criança, a parte de mim que não cresceu, pede um pouco de sagacidade para sair desses túneis estúpidos, o…

Olhos Cegos

Ando por aí querendo encontrar em alguma esquina, em algum lugar aquele olhar.
O olhar que não mede palavras, não julga, não traz tristeza. 
O olhar do amor vivo, que traz esperança, conforto, carinho. 
Porque será? Porque será que para todos os olhos que vejo, eles estão fechados?
Olhos fechados e olhares medrosos. 
Porque será? Porque será que ninguém mais encara a vida?
O mundo, o mundo grande visão de tudo está cego. 

Por, Rayanne Nayara.


Livreira?

Hoje deparei-me com um pensamento novo, o que é deveras surpreendente por se relacionar de um "pensado" relativo àquilo que eu mais amo, ouso-me assim dizer. Já faz ideia do que seja? Tu me conheces então. Trata-se de TRABALHAR EM LIVRARIAS!  Ser livreira! U-A-U.  Quão mágico não deve ser! Imaginem: ser escritora e livreira... puxa vida que universo blasonador! Captem esse aroma :  - Ter a oportunidade de ler vários mundos; - Cuidar de livros; - Levar o conhecimento dos livros ao seu redor tanto para os fregueses quanto para seu cotidiano, assim também incorporando enriquecimento aos seus trabalhos escritos; - Cheirar quantos livros quiser!; - Conhecer autores, editoras, presenciar lançamentos incríveis; - Ser um grande livro;
Me faltam as palavras! Entre tudo e tanta coisa: "_ Mãaae socorro! Eu posso ser livreira também? "

Aqui nesse blog, há um artigo sobre o assunto muito legal. Não deixe de lê-lo : http://historiasparacuidardoser.blogspot.com.br/2007/11/ser-livreiro-no-um…

Coisas inesperadas que assustam.

Alguns momentos você fica ali parado observando. Essas coisas inesperadas que acontecem na vida são de assustar. Você fica observando os passos. Vê se ele vai parar, se vai dar um sorriso daqueles que entregam os segredos. E do nada PAM, ele joga a ficha da amizade. Friendzone para você. Então eis que surge um cavaleiro branco e mascarado. Mostrando um mundo colorido e te enchendo de mimos e galanteios. Realmente fantasiando curtir sua pessoa. Mas e a máscara? Você não vê o rosto dele, então como saber se é real? Se quando a máscara cair vai ser do jeito que aparentou?  Olha de novo para o lado, e novamente ali parado observando você percebe que aquele errado, totalmente o contrário, existe na realidade. Tem uma armadura fria, séria, descomprometida, enquanto internamente é quente, um bobo que se entrega até à alma quando quer. Então lá está você pensando : Vale a pena? Qual dos dois ele realmente vai admitir, o de dentro ou de fora? Tem coisas que ele faz que não é certo. Ele vai muda…