Pular para o conteúdo principal

Nessa terra do "não tem não", a culpa é dos colonos.

     Eu nem sei por onde começar. É tanta a patifaria, que palavras e insultos transbordam da alma, da garganta, do fígado, e do dedo mindinho do pé!
     

     Vinte e três porcento de aumento extra na conta de luz. Bandeira vermelha. VERMELHA? Olha, a bandeira aqui em casa está preta mesmo. Preta fundo de poço. Sabem como? 
    E a campanha da moda é "por uma vida mais light". Com certeza. Light. 'Lightíssimo', porque bem prevejo famílias vendendo o almoço, a janta, o café da manhã, e um litro de água para pagar os impostos.
     São seres néscios que mantêm, a geração de energia através de termelétricas, enquanto poderiam apostar na energia limpa e renovável. LIMPA E RENOVÁVEL! Mas, aí está um povo marcado pela ignorância. É o tal brasileiro. Que séculos atrás fora marcado pela ingenuidade de seus índios; povos inocentes que permitiram a corja portuguesa fazer o que bem entendesse por aqui, não é mesmo?              Cabral, olha... Se tua caveira ainda estivesse intacta... Quero nem pensar! Nem pensar!

     E a gasosa gente? Conta-se de uma época em que o galão de gasolina custava centavos. Acho que é lenda, mas há quem diga ter visto isso. Há muito, muito, muito tempo. Na minha opinião, ali naquele tempo... como era mesmo o nome? Ah sim! Era neolítica! Por aí...
     Hoje o combustível, no centro do Rio de Janeiro, varia de RS 3,50 a R$ 3,70. Mas amanhã quando piscarmos os olhos, vai estar R$ 6,50. Tranquilo, tranquilo. Ainda dá para segurar. Preparem os bolsos. Ou melhor, preparem o café da manhã, que as vendas serão urgentes.
   E enquanto o chuchu virou artigo de luxo na mesa dos brasileiros, o negócio é plantar quiabo. Quiabo gente. Quiabo alastra na plantação, e a baba dele servirá de lubrificante para você sabe... Conseguir passar nos buracos das fechaduras, das portas que o governo anda fechando na sua cara.

    Pois é. Nós aqui numa mendigaria total. Sem água. Sem luz. Sem carne. Sem conforto. E acredite, sem ovo de páscoa daqui uns meses. Enquanto que a galerinha da esplanada, o cuspe dos colonos
recebem auxílio de R$ 18.908754.8652381.00000000.000.00 . Se bobear, nem sabemos ler esse número! Ah mas é um pouco menos que isso? Arredondei o valor, apenas. Aproveitemos, e coloquemos no meio desse total, as passagens áreas da família de cada um deles.


    E em meio a todo esse desabafo, eu suponho que a solução seja: retirar todas as lâmpadas de casa e voltarmos ao Neolítico. Quem sabe, a lenda do galão de gasolina também não entre na onda? Mas, levando em conta ser pouco provável, esqueçam os carros e vão de bicicleta! Bicicleta é vida, povo!

    Caras pintadas, bandeirolas e vamos para as ruas! Ano passado houve protesto pelo reajuste de vinte centavos nas passagens. Inadmissível ficarmos quietos agora. Mas pelo amor dos céus, pacífico gente! Protesto pacífico! Aprendam a protestar! 

   Esqueçam essa de culpar a corja miserenta de Portugal que nos "colonizou" (Lê-se dominou e escravizou). Culpemos a nós mesmos, que somos responsáveis verdadeiramente por nenhuma mudança positiva.

E um recadinho para nossa president(E) (porque eu não a chamarei nunca pelo gênero feminino que ela inventou): 

Dilma, estou tão cansada de presenciar você  trabalhando tanto pelo país, que até te dou umas férias. Permanentes, tá quiridinha? 

Mais um desabafo, e até a próxima. Talvez não menos revoltada.



Comentários

  1. Conheci seu blog na procura por um conceito mais detalhado sobre oneshots.
    Depois dele, esse foi o artigo que li. É muito estranho não ver comentários num post tão bom.
    Foi muito prazerosa a leitura. Não só por concordar com suas ideias, mas, principalmente, pelas informações interessantes que você trouxe e o modo como você escreve (realmente é o que ocorreria em um bate-papo numa cafeteria).
    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente, seja muito bem-vindo!
      Conseguiu satisfazer sua busca pelas oneshots? Espero que sim.
      Sinta-se a vontade para entrar em contato pelo "conatato" da Home.
      Agradeço de coração felicitado os seus elogios, a sua visita e o seu tempinho dedicado a comentar.
      Grande abraço, excelentes leituras :*

      Excluir

Postar um comentário

Comenta! Adicione um pouco de açúcar nessa xícara!

MAIS LIDAS

Sobre fanfics 'oneshot' .

Comecei a ler fanfiction aos meus treze anos de idade, na época em que ainda existia no orkut (céus, como você é velha) aquelas comunidades de "Web Novelas". Iniciei as leituras virtuais com as tais web novelas, que na minha opinião atual eram um pé no saco, pois a plataforma do orkut não permitia uma postagem em página única. As autoras postavam os capítulos através de comentários nos fóruns. Logo, ocorria uma mistura infinita de capítulos da história com comentários de leitoras. Tudo dentro de um mesmo fórum.  Enfim... Quem viveu saberá do que estamos falando aqui, e tchananãn.

Criaram por fim, as fanfictions (ficções de fã) que eram postadas em sites de hospedagem de página HTML, como por exemplo, o vilabol e geocities (R.I.P).  Foi um achado, gente!  Porque você escrevia sua história toda, criptografava em HTML, e a história ficava no padrão atual de postagem. Ah! E havia a possibilidade de ser interativa, o que na época era um babado! Assim que encerraram a disponibili…