Pular para o conteúdo principal

#XícaraVIP - 04 - Chega mais, Millôr!

Ah! As crônicas de Millôr...

Hoje com coesão referencial! 
Snooker é um jogo de bilhar. Aqui, no presente caso, é o título de mais um texto de Millôr Fernandes.  E ainda que eu seja suspeita para falar (por apreciar as Millordices) é um texto muito genial e divertido. É um texto de coesão referencial (CLIQUE AQUI)Que não é chamado de snooker à toa, pois é justamente um texto de tacadas. Trata-se de uma forma escrita em que as informações são lançadas sem certa periodicidade. Eu digo-lhe uma coisa, que  fica subtendida à sua interpretação e logo depois de dizer outra coisa, esclareço a primeira. Complicado de entender assim, não é? Mas sem desespero! Dá uma lida no que é "coesão referencial" se você não sabe e verás uma luz. Tentei fazer um snooker e não ficou tão bom quanto ao do Lolô (Millôr. Lolô para os íntimos, admiradores desconhecidos como eu). Todavia, foi a primeira vez que fiz a tentativa e acho que não fui tão mal quanto pensei. O texto original Snooker, de Millôr pode ser lido clicando aqui


Snooker, à lá Rayanne.


  Outro dia, eu cheguei em casa e observei que havia uma deliciosa sobremesa à minha espera. Sendo assim matei-a à vassouradas. Refiro-me à enorme aranha que encontrei pendurada no teto. Em seguida a engoli, ainda que não devesse, saboreando o leve derreter em minha boca. Estou falando da sobremesa.  Um pouco depois me livrei dela no banheiro, e toda a sujeira do dia de trabalho, da qual estou falando, escorreu pelo ralo, no banho que me deixou novo. Mas ela levou a minha aliança de casamento. A minha mulher. Achei tê-la perdido. A aliança na pia do banheiro. Então saí e encontrei-a nas mãos de outro homem. Minha mulher, que abraçava ao meu cunhado. Ele disse-me que a levaria para dar um trato. Falo da aliança. Enquanto conversávamos minha filha chegou e tascou-lhe uma beijoca na boca. Seu namorado me olhou apreensivo e eu meti-lhe dois tapas bem acertados. Aquela mosca voando nos incomodava. Pedindo que se comportasse em respeito à família, eu a levei para cozinha em minhas mãos. E ali a minha filha ficou a ajudar a mãe. Meu cunhado falava de política e o rapaz, namorado de minha filha, ficava irritado. De repente deparei-me com ele bem gordo e morto na mesa, e meu cunhado atacou-o arrancando-lhe um pedaço da pele com a faca. O leitão assado parecia mesmo muito apetitoso. Comeu pouco e saiu agradecendo montado na motoca deixando-a aos suspiros. Falo do namorado. E da minha filha. Abracei-a pela cintura e tasquei-lhe uma beijoca na boca... De minha esposa é claro. Levei meu cunhado para casa com a minha belezinha no bolso. Nem me preocupei muito, pois na manhã do outro dia ela seria-me entregue. Meu cunhado deixaria a minha aliança, polida, em meu escritório.

É isso gente ^^' Never que ficaria tão bom quanto ao do Millôr, por tratar-se do meu primeiro texto assim, entretanto dá para engolir não é?

Comentários

MAIS LIDAS

Sobre fanfics 'oneshot' .

Comecei a ler fanfiction aos meus treze anos de idade, na época em que ainda existia no orkut (céus, como você é velha) aquelas comunidades de "Web Novelas". Iniciei as leituras virtuais com as tais web novelas, que na minha opinião atual eram um pé no saco, pois a plataforma do orkut não permitia uma postagem em página única. As autoras postavam os capítulos através de comentários nos fóruns. Logo, ocorria uma mistura infinita de capítulos da história com comentários de leitoras. Tudo dentro de um mesmo fórum.  Enfim... Quem viveu saberá do que estamos falando aqui, e tchananãn.

Criaram por fim, as fanfictions (ficções de fã) que eram postadas em sites de hospedagem de página HTML, como por exemplo, o vilabol e geocities (R.I.P).  Foi um achado, gente!  Porque você escrevia sua história toda, criptografava em HTML, e a história ficava no padrão atual de postagem. Ah! E havia a possibilidade de ser interativa, o que na época era um babado! Assim que encerraram a disponibili…