Pular para o conteúdo principal

Garantia de Igualdade Entre Gêneros


          No último post, foram abertos alguns debates e hoje darei continuidade.

    Segundo o site Uol-Economia , o Brasil ocupa o quadragésimo sexto lugar em igualdade entre homens e mulheres. Sabe-se que nas últimas décadas o país tem evoluído bastante em determinados aspectos. A ascensão feminina e, a inversão de papéis de atuação, entre ambos os sexos são alguns desses aspectos. 

    As mulheres estão cada vez mais ativas no mercado de trabalho e isso não é surpresa. Pelo contrário, já era uma evolução esperada e muito esperada. O homem por sua vez, tem dado às mulheres, este espaço optando por inverter a situação. Talvez, pela liberdade de expressão homossexual e novas informações a cerca disso que vêm recorrendo, os homens tenham perdido o preconceito em dedicarem-se à profissões antes, exclusivamente femininas.

    Na construção civil, ano após ano os cursos recebem inscrições crescentes do público feminino, assim como as carreiras militares, engenharias, motoristas comerciais, taxistas, cargos de gerência e direção, indústrias e até na bolsa de valores, etc. 

    A população masculina também não fica por fora. Cresce o número de "pais de família": maridos que optam por cuidar do lar enquanto as esposas ganham às ruas trabalhando. Em algumas regiões já é possível escutar a expressão "marido de aluguel". Profissionais que são contratados não somente para auxiliar as donas de casa, nos serviços mais difíceis, como também para exercer a função dessas. Uma espécie de "diarista". Uma das áreas mais visíveis que servem como indicador da abrangência masculina é a estética, em profissões como cabeleireiros, podólogos, estilistas, costureiros; também nas atividades de saúde e alimentação tais como nutricionistas e gastrônomos, entre outros. 

   Não há classificação de profissões que sirvam para diferenciar os gêneros. Seria inclusive, anti-moderno, mas engana-se quem pensa que não há exclusão ou opressão. Muitos homens e mulheres têm enfrentado, silenciosamente, aquele "olhar torto" dos companheiros de trabalho. Principalmente nesses últimos anos, onde o homossexualismo tem ganhado mídia.  E uma coisa, não tem nada a ver com a outra. Ainda há quem estabeleça críticas homossexuais para mulheres e homens que optam por "papéis trocados".

  É totalmente compreensível a estranheza diante o exótico, o novo, afinal somos humanos. Seres de inteligências nem sempre ilimitadas, porém alimentar ideias e convicções opressoras, intimidadoras, ou que levem às práticas de exclusão e preconceito... Em pleno século XXI, ano de 2013? É inadmissível! 

Até a próxima.


Comentários