Pular para o conteúdo principal

Bicicleta Bêbada

Conta-se aqui o caso de um matuto vizinho meu, no qual o nome eu preservo. 
É um "ninguém" desse país, como tantos outros. De origem humilde, analfabeto, trabalhador de "lombo chicoteado". Uma figura simplória e um tanto engraçada. Admirador assíduo da tradicional "cachaça"

Poucos saibam talvez, mas resido no campo. No interior, há exata uma hora da metrópole carioca. Minha casa é um sitiozinho simples, mas que tem lá seus " muito capins" para capinar. Como esse matuto ganha seu dinheirinho com essas atividades, às vezes ele vem capinar nessa terra fofa e úmida em que piso. Foi após um fim de tarde dessas capinas, que ele contou-nos o seguinte caso. Imaginem a tradicional fala caipira e lânguida e acrescentem o sotaque carioca. É de fato, chistoso. Não que eu queira posá-lo de ridículo, mas é minha obrigação de contadora de histórias compartilhar um "causo" tão original.

Após sentar-se na mesa de madeira antiga e caipira de minha varanda, e engolir seu café como alguém que sobrevive a mais um dia de trabalho; iniciou-se um diálogo de botequim, uma conversa de varanda da qual eu não sei como se estendeu. De repente a cachaça era o foco. Como ela chegara lá...? Ah! Acabo de recordar-me! Tratava-se de um trabalho que ele deixou de fazer, para ir capinar nossos poucos terrenos, e comentava-nos o motivo:

- Ora Fulano, porque você não foi à fazenda do moço para trabalhar?
- Ele dismarcô, Dona Branca! Chamô eu ali na esquina e disse que era pra ir na segunda que vai ter festa lá hoje. 
- Ah é? E ele te chamou para a festa?
- Chamô. Chamô. Vai ter uma cachaçada boa. - aqui entrou a grande estrela do assunto.
- E você vai?
- Eu não Dona Branca!
- E por que não? 
- Ah... É longe né.
- Vai com a sua bicicleta. Deixa de ser bobo! É fim de semana.
- Virge Maria. Eu não! Cruz credo! Eu tô querendo me livrar dela!
- Da bicicleta?
- E num é??
- Por que? - aqui estávamos todos de ouvidos aguçados e curiosíssimos.
- Essa infeliz me deu uma rasteira um dia desses!
- A bicicleta? - eu perguntei já imaginando: "isso vai dar texto".
- É minina
- Conta isso direito fulano! - minha mãe já estava com a cara dela de "eu preciso saber" - Quer mais café? - ela perguntou-o. 

Penso que ela achava que o café era um soro da verdade com a forma como serviu-o, pois eu cheguei a imaginá-la como o Snape manejando a poção no Bartolomeu Crouch Jr.

- Outro dia eu saí pra um forró e bibi uns dedim de cachaça lá, saí de madrugada. Caiu uma chuva daquelas de trovoada Dona Branca! Na hora de vir pra casa, muntei na bicicreta e ela num andava. Eu pedalei, pedalei, pedalei e a bicha num andava. - eu segurava o riso na goela nesse momento, não somente pela história, mas também por toda a encenação exagerada do contador. - Quando ela destravou, eu pedalei e ela ia um pouco e parava. 
- Ô fulano, a bicicleta não andava? Ela bebeu demais né? - e o dito cujo ria da maneira como minha mãe zombava.
- Ó dona Branca, é verdade. Pergunta pro Ciclano! Ele me achou na rua no outro dia e me levou pra casa.
- Você não deu conta de chegar em casa? - eu perguntei segurando altas gargalhadas.
- Num sei minima, só lembro que caí na vala e joguei a bicicreta fora. Depois só acordei de manhã carregado. O minino catou a bicicreta pra mim. A culpa é da bicicreta, ela não tá muita boa dos pedal. 

Fim. Com muitas gargalhadas chorativas*, é claro! Nós não conseguimos nos segurar diante aquilo tudo.

E eu me pergunto... O que seria da minha vida sem essas pequenices? Tudo bem que se eu não me esbarrasse mais com essas figuras, eu não deixaria de viver, mas é desse tipo de história que o meu olhar sobre o mundo torna-se cada vez mais simples. 
Alguém que culpa a bicicleta pela bebedeira, dando vida à coisas mortas, apenas pela diversão de contar um caso mentiroso, ou fantasiar, ou ainda desfocar a própria culpa arrancando algumas gargalhadas... Isso é tão inspirador!

Meninas do interior como eu, talvez entendam a diferença que essas coisas de vida na roça fazem sobre o dia-a-dia. Para outros... Esse é só mais um texto, de uma história roceira.

Chorativas: analogismo próprio com o significado de excessivo choro, ou derramar de lágrimas. 


Até outra hora. 


Comentários

  1. Ah, que lindo... mais uma crônica :) Adoro seu cotidiano dito por você rsrs *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nhac. *-* Confesso que não teria a menor graça se não fosse contado por mim, afinal ninguém saberia mesclar a poesia e a comédia que eu vivo de uma forma mais sincera. ^^' Obrigada Lets.

      Excluir

Postar um comentário

Comenta! Adicione um pouco de açúcar nessa xícara!

MAIS LIDAS

Sobre fanfics 'oneshot' .

Comecei a ler fanfiction aos meus treze anos de idade, na época em que ainda existia no orkut (céus, como você é velha) aquelas comunidades de "Web Novelas". Iniciei as leituras virtuais com as tais web novelas, que na minha opinião atual eram um pé no saco, pois a plataforma do orkut não permitia uma postagem em página única. As autoras postavam os capítulos através de comentários nos fóruns. Logo, ocorria uma mistura infinita de capítulos da história com comentários de leitoras. Tudo dentro de um mesmo fórum.  Enfim... Quem viveu saberá do que estamos falando aqui, e tchananãn.

Criaram por fim, as fanfictions (ficções de fã) que eram postadas em sites de hospedagem de página HTML, como por exemplo, o vilabol e geocities (R.I.P).  Foi um achado, gente!  Porque você escrevia sua história toda, criptografava em HTML, e a história ficava no padrão atual de postagem. Ah! E havia a possibilidade de ser interativa, o que na época era um babado! Assim que encerraram a disponibili…