Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Nosso eu é você.

"Hoje é um dia muito especial para você. Então queria te desejar tudo de bom, te amo muito você é muito especial para mim. Sem você eu não teria aprendido nada e, por isso quero te agradecer por tudo. Você é muito importante para mim. Você diz que está me criando para o mundo, mas o meu mundo é você. Te amo demais, mamãe." de, Rayssa.


Eu até poderia escrever a ti um poema, uma crônica, um romance, enfim...  Eu poderia utilizar desse meu dom divino da escrita, utilizar da minha intimidade com as palavras, essas minhas amigas sinceras. Eu poderia comprar-lhe algo singelo ou não. Eu poderia tentar agradar-lhe de todas as formas possíveis, mas tudo que eu fizesse você diria humildemente que não era preciso, e que você me ama exatamente como sou, sem aditivos, sem diminutivos. Exatamente como fui formada. No entanto mãe, nós filhos temos esse "Quê" de querer mostrar-lhe o quão bons somos, por sua causa. E sempre queremos surpreendê-la. Ah, mas infeliz eu seria, se tentas…

Lirismo Três

As luzes se acendem e eu não posso enxergá-las. Apesar dos grandes passos e das direções apontadas, não encontro o caminho. Porque por dentro, está tudo confuso. Porque por dentro, há uma luta de gigantes. A razão contra o sentimento. A felicidade contra o medo. E os ponteiros dos relógios correm dizendo: "Lar, lar é onde você deve estar".

Um Farol Para Alertar

Um farol para alertar o local onde as partes boas estão se esvaindo.  Enquanto eu começava a perceber, os sinais explodiram em bolhas. E desculpas já não eram capazes de amenizar os efeitos.
Venha, para eu te contar como me senti. Para te apontar quais foram os degraus mais altos de onde caímos.  E seguirmos em direção ao farol.  Porque a verdade é que sentimos falta. Sinto tanto a sua falta. 


Um farol para alertar entre a densa neblina. Você desapareceu no assombro dos nossos medos. Fugiu para uma ilha íntima, e eu o ignorei. Ignorei que essa era a ilha que eu deveria habitar.
Venha, para eu te contar como me senti. Para te apontar quais foram os degraus mais altos de onde caímos.  E seguirmos em direção ao farol.  Ao Sol dos nossos arquipélagos.  Porque a verdade é que sentimos falta. Sinto tanto a sua falta. 
Porque a verdade é que sozinhos não sobrevivemos.  Porque na verdade sentimos tanto a falta, e já estamos cansados de nos deixarmos perder um ao outro.  Então vamos, seguir em direção ao Sol d…