Pular para o conteúdo principal

Quanto se ganha por cada pedra atirada?

Essa pergunta me veio à mente nesta semana: "Quanto se ganha por cada pedra atirada ao próximo?".
Com certeza, muitos já se perguntaram isso também. 
É muito fácil julgar o outro sem o conhecer e distribuir arrogância para se defender. Mas qual é né, alguém vai morrer por uma gentileza?  Humildade não mata, sério. Conheci pessoas humildes e até creio que elas viveram mais do que muita pessoa esnobe!
Eu tento praticar a humildade e acho que esse é o caminho certo.
Comecei a pensar nessas coisas, em como o mundo acha lindo, um tentar ser melhor do que o outro. E como se tornou "careta" a ideologia de nossos pais e avós em fazer da vida mais "paz e amor". 
Não diga-me que estou falando batatinhas ! Afinal, a sociedade promove mensagens positivas demasiadamente, mas por trás de cada mensagem há um sorriso torto, um olhar de esquerda. Promover não significa que se ganhará atenção ou se conquistará o objetivo. Enquanto todos promovem abraços falsos e uma solidariedade cada vez menos verídica, somos todos estimulados a uma corrida contra o tempo.
As imagens são colocadas como se cada ato que tivermos, não fosse-nos permitido errar. Tenho a impressão de que se eu tropeçar, posso cair em um buraco sem fundo e sem direito de voltar a correr. 
Mas afinal, quem dita as regras aqui ? Não seríamos nós? E porque não fazermos todos juntos?

Esses pensamentos que abrangem diversas outras dúvidas e revoltas, me cativaram através de uma simples tristeza. 
Algumas pessoas te procuram quando convém. Quando se fazem por "importantes" à vista de outros, parece que "pisar" é muito saboroso. Eu ignoro. Aprendi a ignorar aquilo que é fútil. Mas eu não sou uma pedra e nem pretendo ser. Eu tenho sentimentos. E me senti humilhada ao me deparar com uma indiferença gratuita.  Realmente as pessoas engradecem seu ego por qualquer coisa! 
Eu sou amorosa com todos sim e vingança não é algo que eu tenha em meu coração. Mas se serve de conselho : AME ! Ame muito e qualquer um. Porque é isso que está faltando. Amor mútuo. Amor próprio. 
As pessoas confundem egoísmo com "amar a si." E esse tipo de gente merece um "sacode" da vida, alguém que grite nos seus tímpanos :"Acooorda Alice !!" 

Sabe o que engrandece o meu ego ? 
Saber que quando escrevo ou falo algo ajudei a alguém. Saber que um sorriso que eu dou muda o humor de alguém. Saber que a cada "bom dia" sincero que ofereço, há quem desfaça sua armadura de estupidez. Saber que eu sou honesta, capaz e digna de ser feliz. Saber que tenho uma família rara. Daquelas de filme e álbuns antigos de retrato. 
Saber que eu amo pelos simples prazeres que o amor me traduz. E ter cordas vocais que aguentam muita vibração. Porque se não fossem elas sendo fortes, meus gritos não "sacudiriam" alguma população. E ainda mais, me engrandece perceber um dom divino que tenho, de toda uma extensa familiaridade com a linguagem e com a comunicação. Pois estas são as minhas armas, e nelas eu apoio as minhas lutas.

Comentários

MAIS LIDAS

Sobre fanfics 'oneshot' .

Comecei a ler fanfiction aos meus treze anos de idade, na época em que ainda existia no orkut (céus, como você é velha) aquelas comunidades de "Web Novelas". Iniciei as leituras virtuais com as tais web novelas, que na minha opinião atual eram um pé no saco, pois a plataforma do orkut não permitia uma postagem em página única. As autoras postavam os capítulos através de comentários nos fóruns. Logo, ocorria uma mistura infinita de capítulos da história com comentários de leitoras. Tudo dentro de um mesmo fórum.  Enfim... Quem viveu saberá do que estamos falando aqui, e tchananãn.

Criaram por fim, as fanfictions (ficções de fã) que eram postadas em sites de hospedagem de página HTML, como por exemplo, o vilabol e geocities (R.I.P).  Foi um achado, gente!  Porque você escrevia sua história toda, criptografava em HTML, e a história ficava no padrão atual de postagem. Ah! E havia a possibilidade de ser interativa, o que na época era um babado! Assim que encerraram a disponibili…