07 maio, 2013

Salva.

Nas manhãs de dias frios, onde a vontade de se levantar é mínima, um raio de sol irradiou-me por dentro. 
Não adiantaria ficar inerte, não querer falhar não garante as escolhas certas.

Todas as ideias e oportunidades passavam diante de meus olhos e eu dizia que não sabia onde queria chegar. 
E então surgiu essa luz forte. 
E eu percebi que não adiantaria me enganar.
Você me salvou, me salvou de desistir de viver.

Nas manhãs de ansiedade era só olhar para trás e perceber.
Todos os medos estavam lá vigiando, atentos.
Esperando o menor deslize, aquilo impulsiona a busca pelos passos certos.

Era só meu.
Era só eu.
Era eu.
Sou eu.
E lá se vai.

Você me salvou, me salvou de desistir. 
Me salvou de você.
Me segurou distante.
Assegurou minha ascensão. 

Era eu, me reerguendo. 
Caminhando agora à frente.
Carregando com coragem, os medos nas costas.


2 comentários:

  1. Um amigo, um amor, um familiar. Mas nem sempre eu espero. Eu me salvo. Salvo-me de mim mesmo. E é bom impulsionar essa iniciativa.
    Esse texto, lido por diferentes olhos, trazem a tona lembranças semelhantemente diferentes. Alguém que foi salvo de diferentes formas, por diferentes motivos, por diferentes pessoas, por diferentes seres. Alguém que se salvou.

    Adorei seu blog, adorei a melodia acolhedora...
    Um grande abraço,
    Iago Marcell.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que adorei o seu comentário! (risos) Você captou bem a mensagem. Obrigada pelo carinho, pela leitura, pelo comentário e por entrar na Xícara.

      Um grande abraço,
      Raay.

      Excluir

Comenta! Adicione um pouco de açúcar nessa xícara!