01 agosto, 2012

Não quero adeus


O frio sopra gélido e eu não posso ver você essa noite.
Me perdendo nas lembranças que eu quis esquecer, eu só gostaria de dizer que errei . 
E sei que meus impulsos feriram sua alma.
Mas sou a única que pode lhe curar.
Não quero adeus, por ter tanto para mostrar.
Eu relembro tudo e os ponteiros giram, embora eu sinta um congelamento do tempo
Vivo condenada a mutilações das quais não quero curar-me.
Você não sabe nada de mim, e nem procura saber. 
Apesar de tudo isso eu não quero perder o que deve sempre ser meu, não quero adeus por ter tanto para amar. 
É um decreto escrito sobre lágrimas, não há mais ninguém além de nós.


Por, Rayanne Nayara.