04 julho, 2012

Harry Potter, meu grande amigo.

Eu poderia falar o óbvio conhecido por todos leitores e fãs de Harry Potter. Poderia declarar as minhas imensas admirações à escritora do best-seller, ou como eu prefiro chamar, "minha bruxa madrinha". Mas qualquer pessoa que conheça, goste, admire ou não, essa obra, já reconhece verdadeiramente tudo o que se escuta de críticas construtivas sobre essa fantástica história. 
Decidi-me então a apenas compartilhar, na minha humilde irrelevância, tudo o que "Harry Potter" e suas aventuras transmitiram-me e significou para mim.

Para iniciar, eu terei que fazer um flashback da minha infância. Tentarei ser breve! 
Filha única de pais conservadores. Nada de molecagem em rua, escola para casa, estudos às pampas. Cabecinha sonhadora e muito imaginativa, repleta de muitas fantasias. Grande dom de inventar e afeição a tudo o que se referia a elementos mágicos e coisas cósmicas.  Essa sou eu quando criança. Eu adorava e adoro tudo o que envolve "mistérios". Talvez seja um faro jornalístico natural. Me anima pensar assim. Por esses fatores, principalmente por ser uma criança "solitária", digo isso entre aspas porque na verdade eu era muito querida, tinha muitos coleguinhas. Mas era uma criança muito introspectiva, com opiniões sempre maturas e à frente da minha faixa etária. Eu criei um mundo próprio, de díficil acesso para os outros. Menos para o Harry !
Ah... nós brincávamos no meu mundo de uma forma tão inesquecível e única! 
Meu amigo Harry, aquele que me entendia, que ria dos meus medos e apoiava-me com palavras certas para momentos certos. 
Ao deparar-me com o menino solitário, sonhador e que nunca perdia a esperança, ou a fé, como queiram dizer, eu me identifiquei. 
Anos depois quando eu era maior, veio a fase do Bullying, e lá estava Harry, dizendo sempre coisas sensatas e me monstrando que eu tinha o meu valor! Me ensinando a confiar em mim, e nos poucos amigos sinceros ao meu redor.
Harry Potter me salvou. Salvou-me dos meus medos de infância tão pessoais.
Ensinou-me os bons valores como, honestidade, coragem, superação, respeito, bondade e solidariedade.
Confiou-me a sempre buscar o meus objetivos.
Eu tenho certeza absoluta, de que se 100 % do mundo, lesse e assitisse, ou pelo menos uma das duas opções, à saga referida, o mundo teria mais moral. Teria mais fé e acreditaria na magia como eu acredito. 
Bem, não estou dizendo que palavras como "oculus reparum", "avada kedrava", "expeliarmus" tenham certa realidade, pois infelizmente, não têm. Eu até esperançava que, nesses nossos tempos avançados, alguém um dia, daqui a alguns mil anos encontrasse uma forma de ligar a surrealidade à realidade, mas torço para que não ocorra. Com essa geração de "Lords Valdemorts" que surge como ratos dia após dia imaginem o perigo universal que não seria uma "varinha das varinhas" ou qualquer relíquia da morte nas mãos destes monstros ? Infelizmente para cada 100 lords nascidos atualmente, temos 10 Harrys. É a situação está difícil, já estamos lutando para acabar com os males que nos afligem e que têm uma dissolução tão simples, de uma forma tão dolorosa, que não nos cabe competência para lutar contra esse tipo de mágica. 
Se ao menos todos acreditassem na magia da vida, de fazer dela um cenário importante, um ciclo de fatores e construções, como ela realmente é. Se proferissem ao menos a magia de amar-nos uns aos outros e tudo aquilo que nossas mãos não fabricaram, mas estão lá. Servindo-nos com extrema importância... Óh céus! Ninguém percebe? Tudo o que a querida Howling fez foi plantar ideias e ideais, esperança e vontade de melhorar os nossos problemas nas cabecinhas infantis de quem amigou-se ao Harry e seus amigos. A escritora fez sua parte, disseminando uma semente através das palavras, dos livros, e sua mensagem foi ouvida internacionalmente! Mas ao mesmo tempo que Harry falava, essa mesma geração teve mil e uma mensagens diferentes e contrárias que objetivaram àquilo que não é aproveitável. O número de besterias pelas quais somos motivados a buscar foi, e ainda é, um pouco maior do que a quantidade de causas que nos encorajamos a abraçar.
Eu agradeço a minha bruxinha madrinha, por ter me ensinado isso e muito mais, por ter feito realidade o meu mundo de sonhos, por ter me dado o Harry, Hermione, Rony, tio Hagrid, vô Dumbledore e tantos outros amigos e "parentes" . Eu entreguei à eles a minha dimensão, pois eu cresci, e não pude como o Peter viver para sempre uma criança. Nem quis isso, a curiosidade natural sempre me lançou à novas buscas. E ainda mais, os anos de amizade com esses personagens me fizeram prometer a mim e a cada um deles, que eu lutaria sempre pelas boas coisas, assim como eles fizeram. Sei que eles cuidam das minhas fantasias, lá onde deixei-os. É somente uma pena que, tais lembranças estejam palpáveis somente a mim, seria um prazer levar todos vocês à viver nesse meu parquinho, tão único e tão grande de beleza e evolução.


Por, Rayanne Nayara.

2 comentários:

  1. UM DOS MELHORES TEXTOS QUE VC JÁ ESCREVEU ! MUUUUUUUUUUITO LINDO ! CHOREI AQUI *-* AMEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEI S2S2S2.

    ResponderExcluir

Comenta! Adicione um pouco de açúcar nessa xícara!