04 junho, 2012

Como fogo aceso na chuva .



Tudo o que esteve em meu coração, ecoava que não haveria fim.
Mas  a porta se fechou no meio da tempestade.
Minhas mãos, tocam o chão.
E o corpo pesa, não se ergue.
Não era para haver fim.
Não somente eu, como o resto do mundo dizia  : "nunca e nunca haverá fim."
Eu ouvia feliz : "nunca e nunca existiu amor assim."
Como uma fogueira acesa debaixo da chuva, era o nosso sentimento queimando tudo à volta.
Algo tão forte, inacreditável que fosse real.
Lindo, emocionante e surreal.
Inefável paixão.
Minha cabeça agora é um turbilhão de confusões.
A minha mente repete dúvidas tão cruéis.
Perdida, com os pés fracos à terra.
Sei que tudo tem sua hora final, nada é para sempre, para sempre.
E sei também que eu fiz tudo ser eterno e eterno.
Acreditei que duraria muito mais  e seria muito mais do que  chegou a ser.
Não somente eu, como o resto do mundo dizia : "nunca e nunca haverá fim."
Eu ouvia feliz : "nunca e nunca existiu amor assim."
Como uma chama forte de fogo queimando sobre o gelo. Era assim que eu sentia meu corpo ao me aproximar de você.
Como um incêndio no mar, eram os seus olhos a me observar.
Como pode ter sido engano, tudo uma ilusão ?
O universo conspirou a nosso favor todo tempo. 
Dores inebriantes, me encobriam ao estar com você.
Como uma fogueira acesa debaixo da chuva, era o nosso sentimento queimando tudo a volta.
Como pode ter sido engano, tudo uma ilusão ?