30 maio, 2012

Dualidade.


Te farei refém dos meus precipícios. Amor platônico.
Há um misto de sensações.
Chega de escolhas vãs. 
Correrei até você. Prenderei-o na minha teia.
Dois corpos em um. Veias pulsantes de uma união luxuriosa.
Aonde quer que eu vá, estarei nessa sua sedução inocente, pois é o que somos. Somos uma dualidade infinita.