16 maio, 2011

Fim dos Tempos




Foi um triste e difícil Novembro,
Esperamos o botão novo nascer.
Quanto mais os segundos passavam
parecia que o tempo havia congelado.
As crianças corriam de medo.
E o novembro passava inacabável.

Gritos de pânico.
Sonhos em risco.
E meu amor, longe de mim.
Choros e soluços,
estrondo, o perigo.
O meu amor estava longe de mim.

Pouca esperança, flores mortas.
O dia era claro, mas os corações estavam fechados.
As pessoas esperavam a chegada de Dezembro,
relembravam os antigos novembros.
As festanças a qualquer momento, e as portas caídas, o cheiro do vento.

Na colina, um botão germinou.
Era o início do fim do começo.
As crianças sorriam, espantaram o medo.
Só ficou o receio do retorno das lutas.

Me amava e eu não pude saber,
meu amor longe de mim.
Me amava e eu pude entender.
Meu amor, olhou para mim.